Está na hora de falarmos sobre os uniformes escolares

0,,35788561-FMMP,00

A questão dos uniformes das meninas na Educação Infantil e nas Séries Iniciais tem me incomodado desde o ano passado. Não estou falando do shortinho das meninas do Ensino Médio (apoiei). Os enfoques das questões são diferentes. Ou não.

Aqui, deixarei as meninas grandes que já fazem suas escolhas e me concentrarei nas pequenas, nas que ainda são vestidas pelas mães e pais. Meu incômodo vem com a seguinte pergunta: qual a necessidade do uniforme de meninas tão pequenas incluir saia? É bonitinho? É! Mas é igualmente restritivo dos movimentos, das atividades, do fato de ser criança. Para que serve colocar saia em uma menina que irá pular e correr? Para gritar e garantir a todos que ela é uma menina. Para lhe dizer: comporte-se! Sente direito! Feche essas pernas!

Ah, dirão alguns: as saias escolares de hoje têm shorts por baixo. Isso não é novidade. Eu colocava um short por baixo da minha saia de escola, mas a minha bunda continuava ali e os meninos continuavam levantando minha saia para provarem que eram machinhos. Devo ter adotado calças em tempo integral na escola pelos 8 ou 9 anos. Muito mais tranquilas para sentar no chão, correr, me embolar num canto qualquer lendo um livro.

E não são somente as saias. Já perceberam como são as bermudas? Tem as de menino: larguinhas, confortáveis. As da meninas são justas como as de ciclistas, enfatizam formas que as crianças não têm. Dizem sobre os corpos infantis o que não devem dizer. Aí, quando as meninas começam a crescer, as próprias escolas se outorgam o poder e a necessidade de dizer como elas devem se vestir, de coibir peças consideradas de pouco decoro, quando, de fato, as escolas participaram do movimento da sexualização infantil desde o início.

Haverá quem diga que por não ser mãe de menina, eu não devia me preocupar com isso. Sou educadora, sou feminista e estudei moda e identidade por dois anos. Creio que é suficiente para expressar meu incômodo e levantar esse ponto de debate. Se acha que este não e um ponto a questionar, digite no Google uniforme escolar de menina e veja o tipo de imagens que o buscador traz.

Devemos continuar a seguir uma tradição que em nada contribuiu para a educação das nossas meninas, que aprofunda as diferenças de gênero, que sexualiza corpos infantis? Ou devemos começar a questionar as escolas do porquê dessa escolha de peças? Não creio que as escolas saibam, apenas seguem o fluxo, atualizando continuamente um modelo de gênero que limita nossas garotas. Todos os dias.

Brasil, Sao Paulo, SP. 06/08/1963. Volta as aulas dos colegios de Sao Paulo no segundo semestre. Foto: Arquivo/AE Pasta: 46669

Brasil, Sao Paulo, SP. 06/08/1963. Volta as aulas dos colegios de Sao Paulo no segundo semestre.
Foto: Arquivo/AE
Pasta: 46669