A propósito do estupro em obras de ficção

cultura do estupro

Estava debatendo com uma amiga escritora a questão do estupro em obras de ficção. Em especial, como o uso desse “recurso” tem sido cada vez mais recorrente em séries, mas também em filmes e livros. Parece que quanto mais se reclama da cultura do estupro, quanto mais se evidencia o lugar do estupro como um dado de opressão social das mulheres*, mais ele povoa nossa ficção como “exemplo da realidade”. Mas será que é realmente isso? Uma história só tem “toques de realidade” se tiver abuso sexual?

Não estou advogando o não uso de estupros em peças de ficção, estou apenas questionando o porquê de o estupro se tornar um recurso narrativo tão correntemente usado em histórias ficcionais. É como se, sem um estupro, a história não fosse forte o bastante, não alcançasse o gosto do público, o qual é “ávido” por histórias que mexam com suas emoções. É só o estupro que pode fazer isso? Como leitora e escritora, permitam-me questionar.

Falemos da Cultura do Estupro (tão negada e tão evidente). Uso aqui a definição que dei em uma entrevista para meus alunos no ano passado:

Pode-se dizer que cultura do estupro é toda crença, prática, ideia ou regra sobre o mundo e a convivência que, de forma clara ou tácita, autoriza a violência contra as mulheres. Não se trata apenas de coisas como “mulher gosta de apanhar”, mas igualmente “as mulheres preferem os canalhas”, “com essa roupa? Estava pedindo”, etc. Nesse sentido, as mídias são propagadoras, incentivadoras e educadoras, eu diria, dessa cultura. Vale salientar que, embora o termo cultura do estupro seja recente, não se trata de uma invenção do século XXI. A cultura do estupro é a nossa cultura, essa cultura descendente de épocas em que as mulheres eram proibidas por lei de estudarem, falarem na rua, saírem sozinhas, proibidas de trabalhar e de se sustentar, vistas apenas como reprodutoras. A percepção é nova, mas as ideias não. O estupro era e é uma forma de manter os oprimidos em seus lugares. Como as feministas cansam de repetir: não é sobre sexo, é sobre poder.

Assim, com o intuito de criticar o uso do estupro nas mídias, uma série de artigos têm sido publicados pela crítica feminista nos últimos anos, procurando qualificar e perceber os porquês e a necessidade de seu uso.

Contudo, e acabei de escrever isto, voltei, apaguei e coloco agora em separado para poder me aprofundar: não é absolutamente chocante o fato de que a mídia que está sendo criticada por esses artigos é aquela voltada para o entretenimento? Refazendo a frase: o estupro se tornou um tipo de recurso narrativo em livros, séries e filmes voltados ao ENTRETENIMENTO? Dá para refazer a frase de outro jeito: ESTUPRO COMO ENTRETENIMENTO!

As justificativas: 1. essa é a realidade; 2. a série, filme, livro se passa numa época violenta, logo, isso ocorre; 3. feminista vê problema em tudo; 4. A arte imita a vida; etc. parecem bem ocas diante da pergunta: qual é o real sentido desse recurso numa obra de ficção? E como isso é realizado pelo autor, roteirista ou diretor?

Este artigo – http://www.vulture.com/2015/07/orange-is-the-new-black-is-the-only-tv-show-that-understands-rape.html?mid=facebook_thecutblog# – analisa amplamente alguns dos estupros que no último ano foram servidos como prato principal ou petisco para os espectadores. Na sequência, a autora, Jada Yuan, avança e propõe um tipo de teste Bechdel para os estupros em peças ficcionais. O blog Collant sem Decote traduziu o teste e colocou nesta ótima postagem: http://www.collantsemdecote.com/conheca-o-teste-jada-o-teste-bechdel-do-estupro.

O teste Jada consiste em fazer as seguintes perguntas ao assistir ou ler uma cena de estupro:

  1. O estupro ocorre pelo ponto de vista da vítima?
  2. A cena de estupro tem o propósito de desenvolvimento da personagem da vítima em vez da trama da narrativa?
  3. O abalo emocional da vítima é desenvolvido depois?

A Renata Alvetti, autora do artigo do Collant sem Decote, ainda adiciona uma pergunta:

  1. O corpo nu da vítima é mostrado durante a cena como objetivo de sexualização?

O teste é de grande valia se queremos desconstruir a cultura do estupro. Porém, como leitora e espectadora, acho que é possível ir além e questionar também o uso do estupro como recurso COMUM em peças de ENTRETENIMENTO.

Por outro lado, como escritora, acredito que a naturalização dos estupros na ficção precisa ser questionada como um todo. Um dos usos que mais me incomoda é o de estupros mostrados como ritos de passagem para personagens. Tipo: moça ingênua se torna bad ass após ter sido estuprada, ou se torna manipuladora, ou salvadora, etc. A leitura latente é: tal criatura nunca desenvolveria seu potencial sem um estupro. Horrível de ler dito assim, não é? Mas é o tipo de “moral” que acaba subjacente a vários tipos de narrativas ficcionais.

Além disso, e conversando com o meu comentário acima sobre as mídias, se estas compõem parte de nosso tecido educacional, não estariam os autores, com o uso do estupro como recurso narrativo, colocando apenas mais e mais pedras no edifício da cultura do estupro? Vou repetir: não estou defendendo o fim de referências a estupros em peças ficcionais! Estou questionando seu uso como recurso narrativo, muitas vezes de forma leviana (para dar uma virada na história), como fetiche (nenhum personagem goza, mas o autor, sim), como rito de passagem (uma personagem só ganha força suficiente após o trauma de um estupro) ou simplesmente por preguiça literária.

Em função disso, coloco mais duas perguntas ao teste Jada Yuan/Renata Alvetti:

  1. O autor só pode dizer/contar que quer usando o recurso narrativo do estupro? Nenhum outro tipo de narrativa pode substituir naquele dado ponto da história a violência sexual? Em resumo: o autor precisa mesmo desta passagem no texto?

Em respondendo sim a essa questão:

  1. Quão próximo o autor – ou autora – esteve de um abuso em si ou de alguém que ele conheça? Claro que um ficcionista pode criar, mas terrenos delicados exigem pesquisa e acho que este seria um que, se a opção fosse por um olhar aproximado, exigiria muita pesquisa. O intuito aqui é fugir ao máximo da leviandade.

Outro ponto que também é possível questionar: por que há tantos estupros na ficção e tão poucas “tentativas de estupro”? Aquelas em que a vítima se vira (sem o auxílio de um herói salvador) e dá um jeito de impedir o algoz (use todas as justificativas acima e a tentativa é tão válida como elemento de tensão quanto as “vias de fato”). Por que achamos normal ter isso em nosso ENTRETENIMENTO, mas ainda reagimos mal aos casos de amor que envolvem outros tipos de sexualidade que não a heteronormativa?

As respostas, é claro, estão nessa cultura na qual todxs estamos embebidos. Por isso mesmo a importância de se questionar, perguntar por que isso e não outra coisa? Naturalizar reforça os sentidos de opressão que a cultura do estupro dissemina. Nossa maior arma para acabar com tal cultura e ficar em pé e dizer: não, não é natural; não é o normal; ninguém precisa que isso lhe ocorra para que sua história fique mais interessante. Seja na realidade, seja na ficção.

 

* Embora não exclusivamente, pois se pode incluir crianças e até homens adultos em ambientes estritamente masculinos como prisões e exército.

 

Mais sobre o assunto:

https://ideiasemroxo.wordpress.com/2015/07/03/o-problema-do-estupro-na-ficcao/

http://fomedetudo.com.br/mulher/problematicas-cenas-de-estupro-na-ficcao/

http://blogueirasfeministas.com/2014/04/ha-uma-razao-para-haver-tantas-cenas-de-estupro-em-seus-programas-de-tv-favoritos/

http://tapiocamecanica.com.br/editorial-precisamos-falar-sobre-estupro-na-ficcao/

http://doutornerds.blogspot.com.br/2015/07/estupro-o-eterno-tabu-das-obras-de.html (O texto é legal, apesar de eu discordar do uso da palavra tabu, se fosse, o estupro na ficção não seria tão comum.)