Sobre espelhos

mirror7

Um continho que foi publicado há uns dois anos na Revista Fantástica.

 

Sobre espelhos

 

Foi assim: o menino entrou na sala de espelhos numa tarde branca de inverno. Perseguia uma bola multicor e os guardas o acharam tão gracioso que não puderam evitar um pouco de sorriso. A sala de espelhos é enorme, quase um salão, mas não tão grande, quase uma galeria, mas não tão comprida. É coberta de espelho em três paredes. Naquela em que é possível olhar para fora, para os jardins de noiva, há um espelho entre cada vão de janela. É uma sala linda de se ver, mas poucos gostam de entrar nela, menos ainda de entrar sozinhos. Só as crianças muito pequenas não têm essas inquietações. É sinal de estar crescendo recear ir à sala de espelhos e de amadurecimento esconder isso o quanto se puder de todos os outros.

 

Só quando a luz começou a diminuir – e o acendedor passou colocando fogo no óleo de baleia dos lampiões – foi que os guardas lembraram. Ninguém vira o menino voltar pela porta em que entrou. Não, com toda a certeza, o menino não saíra da sala de espelhos. Os guardas procuraram, por lá e por toda parte. Nada, nem de menino, nem de bola colorida. A brincadeira virou susto, que virou desespero e, depois, tristeza. Nunca mais se soube do menino. Um riso seu talvez tenha ficado dentro da sala. Sei de muitas pessoas que disseram ter ouvido o menino por lá. Alguém, numa festa, jurou ver o menino refletido, olhando os homens de peruca e as mulheres de saia quadrada com um riso nos lábios. Divertia-se o menino. O que era aquela criança no meio dos adultos, perguntou uma dama que ignorava o ocorrido. Mas não havia criança. Não na sala como ela julgara. Só nos espelhos.

 

Então, quando não era festa, já ninguém entrava na sala, fosse sozinho ou acompanhado. Até mesmo as multidões, que nunca admitiram o pânico que as festas entre os espelhos começavam a causar, resolveram que os jardins seriam melhores no verão e as salas com altos lambris de madeira muito mais quentes nas noites de inverno.

 

A sala de espelhos foi ficando sozinha. Há quem diga que foi o abandono que transformou o menino em peixe. Porque peixes de calda longa podem nadar sob a superfície dos espelhos d’água e o menino já não se satisfazia apenas com a sala de espelhos. Nem mesmo a revolução conseguira voltar a encher a sala, mas nesse dia foi que o peixe-menino fugiu. Há quem diga, que ele se grudou no espelho de uma espada e saiu para o mundo. Foi navegando de reflexo em reflexo, indo a todo lugar, ficando mais nuns que em outros. O melhor de tudo é que os peixes são muito mais difíceis de ver do que os meninos. O ruim é que alma de menino não pode virar peixe e disso se pode saber com certeza.

 

Até mesmo há quem diga que quando os espelhos bruxuleiam como a superfície dos lagos, fingindo que é a luz que falha sobre eles, é o peixe-menino vindo à tona em busca de um amigo. Sob a superfície é possível ver o olhar do menino-peixe, convidando para brincar.

Como funciona a cabeça de um escritor?

18827448.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

A pergunta já me apareceu algumas vezes em entrevistas e a melhor resposta é essa.

Você ouve, vê, lê algo que te sugere uma ideia.

Você escreve. Esquece num caderno.

Relê. Acha uma bosta. Esquece.

Tempos depois reencontra. Relê. Gosta. Resolve que vale digitar.

Relê digitado. Acha uma bosta. Esquece.

Tempos depois vai verificar um título estranho no meio de uma pasta do Windows que guarda coisas que você escreveu.

Relê. Gosta. Resolve publicar.

Ajeita. Re trabalha, perde umas duas horas.

Relê. Acha uma bosta. Esquece de novo.

 

Sem açúcar, mas não sem amor

494px-Pieter_de_Hooch_-_A_Woman_Peeling_Apples-resized-600

No último ano aconteceu de novo. A combinação de estresse, atividades em excesso, muito trabalho e alimentação quando dá (cheia de compensações), resultou mais uma vez numa crise severa de hipoglicemia. A diferença entre as pequenas crises (que os hipoglicêmicos resolvem erradamente comendo um docinho) e as severas, é que, nas severas, comendo um docinho, você fica pior, muito pior. Eu sabia o que precisava. Cortar o doce drasticamente, já tinha acontecido, três meses e as coisas voltariam aos eixos.

Busquei um endócrino e uma nutricionista com quem tenho grande empatia. Do primeiro, depois da vista dos exames, saí com medicação para pré-diabetes: da outra vez que te aconteceu, você não tinha quarenta anos – me disse ele.

Já a minha amorosa nutricionista, entre dicas e ideias, foi suave ao dizer: creio que deves pensar que açúcar não é algo que te pertence mais.

Não farei uma longa postagem sobre os malefícios do açúcar e o fato de que, na verdade, não precisamos dele (a não ser como uma auto carícia). Isso é coisa para sites especializados em saúde e dá para ler aos montes por aí.

O grande problema é como o açúcar tem sido percebido. Açúcar é afeto, é amor, é carinho, é cuidado. Vai-se agradar uma criança, dá-se a ela um pirulito. Não sabe o que dar de presente a um adulto, leva-se um chocolate. Quer dar um mimo? Um bombom é ótimo para isso. Como assim, não vai repetir a sobremesa? Prova, prova!

Claro que é amor. O que mais seria? Ninguém presenteia ou acaricia com doces pensando que pode causar males graves, pelo contrário: é só por hoje, é só agora. Contudo, não é “só hoje”, uma exceção a regra, nunca é só por esse único momento em toda a sua vida.

Não há maldade no pensamento. Não é uma cultura maldosa. Mas pense: quantas vezes você presenteou com doces um amigx que deveria ficar longe deles? Quantas vezes, mesmo sabendo que o colega com diabetes se esforçou para resistir à torta servida na reunião você insistiu para que ele provasse? Está tão gostoso, só um pedacinho, vai. Um pedacinho não fará mal. Quem nunca fez isso? Eu já. Um monte de vezes

O problema é que faz mal. E nunca será só um pedacinho. Deixar de comer algo que toda a cultura te ensina ser uma tentação exige um bocado de disciplina. Contudo, não é um sacrifício como a maioria das pessoas imagina. Quando comentei minha nova condição, a frase que mais ouvi foi: ah, eu não conseguiria, eu morro se não comer doce, eu sou formiga, não consigo ficar sem chocolate, etc, etc.

Não, você não morreria, pelo contrário. Dá para ficar excepcionalmente bem. E não comer doces poder ser uma atitude nada exigente. Na verdade, é até bem simples. De um lado, basta lembrar o quanto a gente passa mal se comer. Em segundo, basta ter amigxs compreensivos que, simplesmente, não te oferecem e nem mesmo insistem para você comer mais (não só doces, mas todas as coisas, afinal todo carboidrato terá peso e não estou falando de balança).

Eu não sei porque (e posso estar errada) creio que as pessoas acham mais difícil compreender a abstenção se você não coloca uma alergia ou doença grave na frente, tipo diabetes, alergia à glúten (celíacos), alergia a laticínios ou ovo. Mas, também, as pessoas costumam implicar com determinadas decisões alimentares, como não comer carne ou qualquer produto animal. Parece que a alergia real é ao comportamento diferente e ao fato de que alguém que se alimenta de forma desigual da maioria, causa desconfortos na comensalidade. Mas aí, creio, tenho material para outra postagem.

Até lá, um pedido: me deem longos abraços ao invés de mimos açucarados. Presenteiem-me com vasos de temperos ao invés de caixas de chocolates. E me ofereçam frutas ou mais chá ao invés de um docinho ao final da refeição. Entenderei tudo isso como afeto, e sem açúcar.

 

Para adoçar, fica o Chico Buarque.

https://www.youtube.com/watch?v=C7Zcyk_lWms